Todos os posts

Blog 5 min leitura

Conheça mais sobre os países da CEDEAO

Conheça mais sobre os países da CEDEAO
Escrito por
Grupo Oporto Forte
Publicado em 05 Mai 2021

Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental

Pouco se conhece sobre o continente africano. 

Sabemos alguma informação adquirida ao longo da vida, quer no sistema de ensino, quer através dos meios de comunicação (principalmente notícias dos sistemas político e económico), mas no que toca à sua cultura e desenvolvimento, o conhecimento é pouco. Por isso, hoje vamos falar sobre uma Região integrada, onde a sua população goza da circulação livre, num ambiente seguro e pacífico. 

Pois bem, estamos a falar do CEDEAO, Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, criada pelo Tratado de Lagos em Maio de 1975, é um grupo de 15 países cujo objetivo é promover a integração económica em todas as áreas de atividade dos Estados-membros.  

A sua visão é estabelecer uma região sem fronteiras, onde a população acede aos recursos abundantes da região e demonstra a capacidade de explora-los pela criação de oportunidades num ambiente sustentável.  É uma Região integrada, onde a população goza da circulação livre, tem acesso a sistemas educativos e de saúde eficientes e envolve-se nas atividades económicas e comerciais, enquanto leva uma vida digna num ambiente de paz e segurança. É considerada como um dos pilares da Comunidade Económica Africana, pois o seu princípio é promover a autossuficiência coletiva dos Estados Membros.  Desde a criação da organização, todas as expetativas foram altas e os objetivos cumpridos. A sua reputação é bastante positiva e é considerada como uma organização regional bem-sucedida.  

 

 

Idiomas 


NA CEDEAO falam-se três línguas oficiais estrangeiras (Inglês, Francês e Português), contudo existem mais de mil línguas locais, entre as quais, línguas nativas transfronteiriças, faladas por mais de 300 milhões de habitantes numa vasta área de cerca de 5.1 milhões de quilómetros quadrados. 
 


Países de peso 


Durante os últimos anos, a população da África Ocidental observou um forte crescimento, passando de 70 milhões de habitantes para 350 milhões entre 1950 e 2018, o que representa um mercado potencial de consumo muito atrativo. No fim do ano de 2018, representava cerca de 40% da população da África subsaariana.

Segundo as projeções das Nações Unidas, a população da África Ocidental deverá chegar aos 550 ou 600 milhões de habitantes em 2050. É a região mais jovem do mundo. Além disso, com cerca de 5% da população mundial e com uma área superior a 40% da África subsaariana, a África Ocidental é a mais densamente povoada. 


A Nigéria representa cerca de 52% da população e 65% do Produto Interno Bruto (PIB) da sub-região. Cabo-Verde é o país com o número menor de população (0,5%) e representa 0,3% PIB da comunidade. A Guiné-Bissau é a economia menor da sub-região, representa apenas 0,2% do total do PIB e 0,5% do total da população da CEDEAO. O segundo maior país em termos demográficos e económicos é o Gana, com respetivamente 7,8% da população total e 10,8% do PIB.  

 

 

Moeda única ECO 


A CEDEAO engloba duas zonas monetárias:
União Económica e Monetária da Africa Ocidental, de sigla UEMOA, criada por  oito países (Benim, Burkina Faso, Costa do Marfim, Guiné-Bissau, Mali, Níger, Senegal e o Togo), que partilham a mesma moeda (FCFA) ancorada ao Euro  


Zona Monetária Oeste-africana (ZMOA) criada por cinco países (Gana, Gambia, Nigéria, Serra Leoa, Guiné-Conakry) e posteriormente contou com a adesão da Libéria e de Cabo-Verde. 
Inspirado no modelo da União Europeia, a ZMOA foi criada com o objetivo de estabelecer uma zona de convergência macroeconómica que deveria dar origem à moeda única da Africa Ocidental. 


A moeda ECO foi pensada para eliminar a FCFA e as outras 7 moedas, dando assim espaço para uma moeda única, de modo a facilitar as trocas comerciais entre os Estados membros sem barreiras cambiais. Assim, cada país poderá especializar-se na produção de determinados bens, dos quais, os outros países terão necessidade de aprovisionamento, intensificando as trocas comerciais internas e substituindo as importações fora da zona. 


Esta passagem estava prevista para o ano 2020, contudo a pandemia veio alterar os planos. Neste momento, a previsão para implementar a ECO será para 2028. Assim sendo, com a economia africana a emergir e a população em crescimento, onde é que a sua empresa poderia encaixar-se neste mercado? 


Grupo Oporto Forte pode ajudá-lo a analisar esse potencial e a integrar-se no continente africano! Agende uma reunião com os nossos consultores em: comercial@oportoforte.com
 


Fontes:
https://www.vidaeconomica.pt 
https://www.ecowas.int 

Fale com os nossos especialistas

Entre em contacto para mais informações

Ao submeter este formulário, declara que leu e aceitou a nossa Política de Privacidade